27 de ago de 2011

Até onde você iria no primeiro encontro?

Foi com esta pergunta que o site de relacionamentos inglês FreeDating.co.uk, após pesquisar a opinião dos cerca de 10 mil membros, traçou o perfil das mulheres e homens mais adeptos a transar na primeira vez que sai com o par. O estudo constatou que quatro em seis homens são mais propensos ao sexo no primeiro encontro contra uma de seis mulheres. Confira a seguir detalhes da pesquisa.

O estudo concluiu que as mulheres gordas ou altas são mais dispostas a ir para a cama na primeira vez do que as mais baixas e magras. Os homens magros, acima do peso e gordos ficaram no mesmo nível de propensão. No entanto, os com porte atlético foram classificados como mais abertos ao sexo no primeiro encontro. A seguinte descoberta pode não agradar às esposas, mas os homens casados se mostraram mais predispostos ao ato sexual na primeira saída do que os solteiros.

De acordo com a pesquisa, mulheres que bebem, têm interesse em carros e frequentam bares estão mais inclinadas a fazer sexo no primeiro encontro. O público feminino com baixa escolaridade ficou como mais tendente ao ato sexual no primeiro dia com o parceiro, ao contrário dos homens, que quanto mais escolarizados, mais propensos estão a transar no primeiro encontro.

As mulheres mais jovens, menores de 25 anos, têm mais probabilidade de fazer sexo no primeiro programa com o par do que as mais velhas. Já os homens de 30 e poucos anos estão mais abertos à transa no primeiro encontro do que os na faixa etária dos 20 anos, segundo o estudo.

A pesquisa também descobriu que 14,5% dos homens com idades entre 25 e 29 anos fariam tudo na primeira saída com a mulher, mesmo sem gostar da parceira. Já os com idade entre 18 e 24 anos somaram 10% e os na faixa de 30 a 39 anos, 11,5%.

Para obter o resultado, a pesquisa enviou a pergunta “Até onde você iria no primeiro encontro?” aos 10 mil membros do site de relacionamento e ofereceu respostas desde “nenhum contato físico” à “até o fim”. Em seguida, foram analisados os dados do perfil de cada usuário, em comparação com a resposta dada por cada um. Fonte: Terra

23 de ago de 2011

Asas e censuras

Imagem: Pintura de Ana Luisa Kaminski

...Poderias, porventura, me recriminar
pela profundidade da ternura
que palpita em ondas de saudade insistente?...

...E, acaso, deverias me acusar
pela plenitude da entrega, inteira,
por ofertar a ti meu coração, sem reservas?...

...Poderias, será, me censurar
pela completa e integral confiança
depositada em ti, alma amada, alada e aflita?...

...Poderia eu te repreender, amor,
por teres te atrevido a voar mais longe
mais livre e desejante de aventuras?...


...Deveria eu te criticar, meu bem,
pela intensidade móvel e complexa
dos coloridos entrelaçamentos de amores?...

...Poderia eu reclamar, minha doçura,
de tuas asperezas e ausências, apenas
porque prefiro doçura e aconchego constantes?...

...Deveríamos nós desistir, acaso,
de acreditar ou de insistir no possível
dos afetos, dos sonhos, das asas
e nos arrepender do vôo encantado?...

...Ou, simplesmente, vibrar e celebrar
as lembranças mais doces, memórias
dos olhares cintilantes e assombros
do prazer de habitar, por um tempo
mundos e jardins azuis compartilhados?..


[Ana Luisa Kaminski]

17 de ago de 2011

Amor Verdadeiro

É o verdadeiro e único amor; aquele que não exige nada em troca, que ama sem se importar com a cor, idade, raça, credo, nada...

Simplesmente amor!

11 de ago de 2011

Frio...Saudade - Fica, olha-me... queima-me




Fica, olha-me…queima-me…

Brilha nos olhos o código do silêncio
Calam-se as palavras que a alma sente
O coração aperta, pulsátil, louco
Impele nas artérias o sangue impetuoso
Nutrindo as entranhas viscerais do querer
Docemente a ternura penetra fundo
Na carne ressequida da saudade
A nudez do corpo, veste as roupas da nostalgia.
O pensamento grita na noite escura e fria.
Silencio, ninguém ouve
Só o vento geme baixinho, solidário.
O coração continua a compasso
Da lembrança possante do sentir.
Do desejo ardente do teu ser
E tu, presente mas…. distante.
Ignoras a força do meu querer.

Fica, olha-me mesmo que não me toques
Sente, inflama, não tenhas medo de te calcinar
Transforma-te em fogo ardente
Aquece meu coração,
Queima o meu corpo sedento do teu
Fica, olha-me…queima-me….

[Liliana Jardim]

Fantasias


Te despirei com minha boca e
Meus pensamentos.
Tomarei teu corpo por inteiro e
Por horas irei governá-lo,
Tornando submisso aos meus caprichos.
Invadirei tua alma
Dominarei seus medos e suas fraquezas.
Beberei teu néctar saboreando cada
Gota de sua essência.
E como uma abelha faminta
Irei saciar meu apetite.
Seremos dois corpos mergulhados em
Perfumes, suor prazer.
Tua boca minha busca
E teu corpo meu refúgio.
Definir nosso amor será
Meramente impossível.
Minhas mãos te guiarão por sensações
Nunca antes vividas por mortais.
Conhecerás de perto a verdadeira razão
De meus desejos e caprichos.
Experimentando verdadeiramente em meu ser
O universo infinito de minhas fantasias.

"Só há um tempo em que é fundamental despertar.
Esse tempo é agora"

(Buda)

6 de ago de 2011

Relato da 1ª depilação completa



A primeira depilação completa, você nunca esquece!

Tenta sim, vai ficar lindo!!!” Foi assim que decidi, por livre e espontânea pressão de amigas, me render à depilação na virilha. Falaram que eu ia me sentir dez quilos mais leve. Mas acho que pentelho não pesa tanto assim. Disseram que meu namorado ia amar, que eu nunca mais ia querer outra coisa. Eu imaginava que ia doer, porque elas ao menos me avisaram que isso aconteceria. Mas não esperava que por trás disso, e bota por trás nisso, havia toda uma indústria pornô-ginecológica-estética.

- Oi, queria marcar depilação com a Penélope.
- Vai depilar o quê?
- Virilha.
- Normal ou cavada?
Parei aí. Eu lá sabia o que seria uma virilha cavada??? Mas já que era pra fazer, quis fazer direito.
- Cavada mesmo.
- Amanhã, às… Deixa eu ver…13h?
- Ok. Marcado.

Chegou o dia em que perderia dez quilos. Almocei coisas leves, porque sabia lá o que me esperava? Coloquei roupas bonitas, assim, pra ficar chique. Escolhi uma calcinha apresentável. E lá fui.
Assim que cheguei, Penélope estava esperando. Moça alta, mulata, bonitona. Oba, vou ficar que nem ela, legal. Pediu que eu a seguisse até o local onde o ritual seria realizado. Saímos da sala de espera e logo entrei num longo corredor.
De um lado a parede e do outro, várias cortinas brancas. Por trás delas ouvia gemidos, gritos, conversas. Uma mistura de Calígula com O Albergue. Já senti um frio na barriga ali mesmo, sem desabotoar nem um botão. Eis que chegamos ao nosso cantinho: uma maca, cercada de cortinas.

- Querida, pode deitar.
Tirei a calça e, timidamente, fiquei lá estirada de calcinha na maca. Mas a Penélope mal olhou pra mim. Virou de costas e ficou de frente pra uma mesinha. Ali estavam os aparelhos de tortura. Vi coisas estranhas. Uma panela, uma máquina de cortar cabelo, uma pinça.Meu Deus, era O Albergue mesmo.
De repente ela vem com um barbante na mão. Fingi que era natural e sabia o que ela faria com aquilo, mas fiquei surpresa quando ela passou a cordinha pelas laterais da calcinha e a amarrou bem forte.

- Quer bem cavada?
- …é… é, isso.
Penélope então deixou a calcinha tampando apenas uma fina faixa da Abigail, nome carinhoso de meu órgão, esqueci de apresentar antes.

- Os pêlos estão altos demais. Vou cortar um pouco senão vai doer mais ainda.
- Ah, sim, claro.
Claro nada, não entendia porra nenhuma do que ela fazia. Mas confiei.

De repente, ela volta da mesinha de tortura com uma espátula melada de um líquido viscoso e quente (via pela fumaça).
- Pode abrir as pernas.
- Assim?
- Não, querida. Que nem borboleta, sabe? Dobra os joelhos e depois joga cada perna pra um lado.
- Arreganhada, né?
Ela riu. Que situação!!!
E então, Pê passou a primeira camada de cera quente em minha virilha virgem. Gostoso, quentinho, agradável. Até a hora de puxar
Foi rápido e fatal. Achei que toda a pele de meu corpo tivesse saído, que apenas minha ossada havia sobrado na maca. Não tive coragem de olhar.
Achei que havia sangue jorrando até o teto. Até procurei minha bolsa com os olhos, já cogitando a possibilidade de ligar para o SAMU. Tudo isso buscando me concentrar em minha expressão, para fingir que era tudo supernatural.
Penélope perguntou se estava tudo bem quando me notou roxa. Eu havia esquecido de respirar. Tinha medo de que doesse mais.

- Tudo ótimo. E você?
Ela riu de novo como quem pensa “que garota estranha”. Mas deve ter aprendido a ser simpática para manter clientes.
O processo medieval continuou.
A cada puxada eu tinha vontade de espancar Penélope. Lembrava de minhas amigas recomendando a depilação e imaginava que era tudo uma grande sacanagem, só pra me fazer sofrer.
Todas recomendam por que se cansam de sofrer sozinhas.

- Quer que tire dos lábios?
- Não, eu quero só virilha, bigode não.
- Não, querida, os lábios dela aqui ó.
Não, não, pára tudo. Depilar os tais grandes lábios? Putz, que idéia. Mas topei. Quem está na maca tem que se fuder mesmo.
- Ah, arranca aí. Faz isso valer a pena, por favor.
Não bastasse minha condição, a depiladora do lado invade o cafofinho de Penélope e dá uma conferida na Abigail.
- Olha, tá ficando linda essa depilação.
- Menina, mas tá cheio de encravado aqui. Olha de perto.
Se tivesse sobrado algum pentelhinho, ele teria balançado com a respiração das duas. Estavam bem perto dali. Cerrei os olhos e pedi que fosse um pesadelo. “Me leva daqui, Deus, me teletransporta”. Só voltei à terra quando entre uns blábláblás ouvi a palavra pinça.
- Vou dar uma pinçada aqui porque ficaram um pelinhos, tá?
- Pode pinçar, tá tudo dormente mesmo, tô sentindo nada.

Estava enganada. Senti cada picadinha daquela pinça
filha da mãe arrancar cabelinhos resistentes da pele já dolorida. E quis matá-la. Mas mal sabia que o motivo para isso ainda estava por vir.
- Vamos ficar de lado agora?
- Hein?
- Deitar de lado pra fazer a parte cavada.
Pior não podia ficar. Obedeci à Penélope. Deitei de ladinho e fiquei esperando novas ordens.
- Segura sua bunda aqui?
- Hein?
- Essa banda aqui de cima, puxa ela pra afastar da outra banda.

Tive vontade de chorar. Eu não podia ver o que Pê via. Mas ela estava de cara para ele, o olho que nada vê. Quantos haviam visto, à luz do dia, aquela cena? Nem minha ginecologista.
Quis chorar, gritar, peidar na cara dela, como se pudesse envenená-la. Fiquei pensando nela acordando à noite com um pesadelo.
O marido perguntaria:
- Tudo bem, Pê?
- Sim… sonhei de novo com o c* de uma cliente.

Mas de repente fui novamente trazida para a realidade. Senti o aconchego falso da cera quente besuntando meu Twin Peaks. Não sabia se ficava com mais medo da puxada ou com vergonha da situação. Sei que ela deve ver mil c*s por dia. Aliás, isso até alivia minha situação.
Por que ela lembraria justamente do meu entre tantos? E aí me veio o pensamento: peraí, mas tem cabelo lá?
Fui impedida de desfiar o questionamento. Pê puxou a cera. Achei que a bunda tivesse ido toda embora. Num puxão só, Pê arrancou qualquer coisa que tivesse ali. Com certeza não havia nem uma preguinha pra contar a história mais. Mordia o travesseiro e grunhia ao mesmo tempo. Sons guturais, xingamentos, preces, tudo junto.

- Vira agora do outro lado.
#@$$%&*&¨%$#@ .... por que não arrancou tudo de uma vez? Virei e segurei novamente a bandinha. E então, piora. A broaca da salinha do lado novamente abre a cortina.
- Penélope, empresta um chumaço de algodão?
Apenas uma lágrima solitária escorreu de meus olhos. Era dor demais, vergonha demais. Aquilo não fazia sentido. Estava me depilando pra quem? Ninguém ia ver o tobinha tão de perto daquele jeito. Só mesmo Penélope. E agora a vizinha inconveniente.

- Terminamos. Pode virar que vou passar maquininha.
- Máquina de quê?!
- Pra deixar ela com o pêlo baixinho, que nem campo de futebol.
- Dói?
- Dói nada.
- Tá, passa
- Baixa a calcinha, por favor.
Foram dois segundos de choque extremo.
Baixe a calcinha…”.
Como alguém fala isso sem antes pegar no peitinho? Mas o choque foi substituído por uma total redenção. Ela viu tudo,da Abigail ao c*. O que seria baixar a calcinha? E essa parte não doeu mesmo, foi até bem agradável.

- Prontinha. Posso passar um talco?
- Pode, vai lá, deixa grisalha.
- Tá linda! Pode namorar muito agora.
Namorar…Namorar??? Eu estava com sede de vingança.
Admito que o resultado é bonito, lisinho, sedoso. Mas doía e incomodava demais. Queria matar minhas amigas. Queria virar feminista, morrer peluda, protestar contra isso. Queria fazer passeatas, criar uma lei anti-depilação cavada.
Queria comprar o domínio www.preserveaabigailpeluda.com.br.
Mas confesso que hoje já marquei meu segundo dia de tortura, e não é que minhas amigas tinham razão?

4 de ago de 2011

Despenteada

Hoje aprendi que é preciso deixar que a vida te despenteie,
Por isso decidi aproveitar a vida com mais intensidade...
O mundo é louco, definitivamente louco...
O que é gostoso, engorda. O que é lindo, custa caro.
O sol que ilumina o teu rosto enruga.
E o que é realmente bom dessa vida, despenteia...
- Fazer amor, despenteia.
- Rir às gargalhadas, despenteia.
- Viajar, voar, correr, entrar no mar, despenteia.
- Tirar a roupa, despenteia.
- Beijar a pessoa amada, despenteia.
- Brincar, despenteia.
- Cantar até ficar sem ar, despenteia.
- Dançar até duvidar se foi boa idéia colocar aqueles saltos gigantes essa noite, deixa seu cabelo irreconhecível...

Então, vou tentar, a cada vez que nos vejamos
estar com o cabelo bagunçado...
Daí, pode ter certeza que estarei passando por um
momento feliz da minha vida!!!
É a lei da vida: sempre vai estar mais despenteada a mulher que decide ir no primeiro carrinho da montanha russa, do que aquela que decide não subir.

Pode ser que me sinta tentada a ser uma mulher impecável,
toda arrumada por dentro e por fora.
O aviso de páginas amarelas deste mundo
exige boa presença:
Arrume o cabelo, coloque, tire, compre, corra, emagreça,
coma coisas saudáveis, caminhe direito, fique séria...
e talvez eu devesse seguir as instruções......

Mas, quando vão me dar a ordem de ser feliz?
Por acaso não se dão conta que para ficar bonita
eu tenha que me sentir bonita...
A pessoa mais bonita que posso ser!

O que realmente importa é que ao me olhar no espelho, eu veja a mulher que devo ser!
Por isso, minha recomendação a todas as mulheres:

Entregue-se, coma coisas gostosas, beije, abrace,
dance, apaixone-se, relaxe, viaje, pule, durma tarde, acorde cedo, (ou durma cedo, acorde tarde) corra, voe, cante, arrume-se para ficar linda e, principalmente, arrume-se para ficar confortável!
Admire a paisagem, aproveite,
e acima de tudo,
Deixe a vida te despentear!!!
O pior que pode acontecer é que, rindo FELIZ
em frente ao espelho,
você precise se pentear de novo... !!!

Atração, Sedução, Traição e Perdão

Atração, sedução e traição comprometidos ou não...
Sabe aquele momento que você olha ao redor e avista uma pessoa e te dá vontade de agarrá-lo (a)? Isso seria um ato de loucura? Uma falta de nexo? Claro que sim!

Mas em pensamento
fazemos isso a "quase" todo instante. E você é dono dos seus próprios pensamentos. Muitos psicólogos concordam que 85% das famílias são desequilibradas, sendo assim, como você pode perceber, você não é tão único.
Muita gente acha que o homem sempre olha a mulher com o imaginário ligado em sexo. O estereótipo de “macho” é dado ao homem muito cedo e distorce a realidade. A sociedade funciona como uma mola compulsiva onde o homem tem que pensar em sexo desde cedo. Já o cérebro feminino tão afetado pelos hormônios controla sua percepção da realidade, seus valores e seus desejos. Não é possível generalizar que o homem pensa mais em sexo que as mulheres.

Digo por experiência própria, que nos mulheres também pensamos e muito em sexo. E nem adianta algumas mulheres dizerem; "Não sou assim desse tipo, eu me valorizo!"
Hipocrisia pura! Gostamos sim, acredito que tanto quanto o homem! Só que não podemos admitir constantemente para não sermos julgadas!
O ato da autenticidade é extremamente difícil de ser colocado em pratica, pois a sociedade nos impõe padrões, aos quais, muitas vezes, nada associa aos nossos valores.
Eu confesso que adoro sexo, gosto de receber emails quentes e assistir vídeos picantes... Não vejo porque ter vergonha em admitir.

Sexo casual, amizade colorida, amizade com benefícios, rotulem como quiser, resumindo são dois seres dizendo para si mesmos que uma relação não tem que ser necessariamente baseada em amor.
Ninguém tem a obrigação de ver o mundo da mesma forma que vemos e sentimos. Portanto, ninguém está certo e ninguém está errado. Ninguém é de ninguém, mas sozinhos não somos nada.
É apenas uma questão de entendermos a verdade e assim aceitarmos as diferenças. Mantenho-me fiel a mim mesma e seguindo meus instintos. Refletindo sempre que: "Todo ato tem seu efeito".
Respeitando as nossas verdades e vontades. Para entender o significado da palavra respeito, primeiramente temos que respeitar a nos mesmos aplicando corretamente o que nos é coerente ou não coerente.

Ai você deve estar perguntando que loucura... E se a pessoa é casada? E o amor onde fica com essa infidelidade?

Já foi comprovado que o amor verdadeiro consegue sair da crise, ultrapassando a infidelidade com um relacionamento mais forte do que nunca.
De que forma? Com uma conduta de comunicação aberta.
De princípio reconhecer que é um obstáculo trabalhoso de se contornar, refletindo com cautela e dando um ao outro o espaço e tempo suficientes para refletirem naquilo que acharem melhor para cada um. Não sendo impulsivos, sendo honesto e não dando corda para comentários de amigos e familiares. O correto não é ter a mesma relação que tinham e sim começar de novo. Comprovado que quanto mais investimos em um relacionamento, melhor e maior será o retorno final.
Se o casal conseguiu ultrapassar um momento tão delicado como a traição, já é o suficiente para fortalecer a relação.
O amor vence qualquer barreira. O que não me mata hoje só me faz mais forte para amanhã. Distância FORTALECE, ausência faz ter a CERTEZA, saudade faz alimentar o SONHO a cada dia e o amor faz qualquer um ser FORTE para caminhar por entre as pedras que a vida impõe!


E se as mulheres fossem tão taradas quanto aos homens?

1 de ago de 2011

Quero-te!


Quero-te!

Tenho presa...
Não espero...
Atiças...
Meu corpo
Ao teu colado
Transborda
Sensualidade
Em delícias...
Respingos
suores...
Em espasmos...
Trepida e morna...
Entrego-me!
em quenturas
que aflora...
fico insone...
e de ti...
sinto fome...
Morro e renasço
De tanto te querer...
Vem!
e silencia-me com
os teus beijos...
nessa volúpia em
vontades e desejos...
toca-me devagar...
e sinta-me
nesse balanço
Do prazer...
Faça-me tremer...
corpo e alma
em junção...
que sempre
culmina nesse
ato prazeroso...
Eu e tu!
nesse vaivém
em carícias de
paixão em fogo...

(Lu Lena)