20 de mai de 2011

Dia do meu bem!


Ah! Como eu quero que vivas!
Para embarcarmos em nossa viagem
Venha, não conteste
Esse amor sedutor
Que respeitou meu coração

Forte e sensível
Inocente e atrevido.
Que me deixou enxergar
O menino inocente
O senhor responsável
O homem sedutor

Hoje sou sua mulher
Trago morangos e chantilly
Com vinho brindemos
Seus neurônios, quero aguçar
Ver onde seus hormônios vão chegar

Quero você
Eloquente
Quente
Rente
Amando
Sendo amado
Por essa
Na constante espera
Amor de todas as estações
Do reencontro inesquecível

Amo-te
Sempre!

[Básica]

18 de mai de 2011

Podolatria
"Quem transa com podólatra não esquece!"
Podolatria é um tipo particular de fetiche cujo desejo se concentra por pés femininos. São atos comuns que levam o podólatra a ter excitação e prazer sexual o ato de ver, tocar com as mãos, lamber, cheirar, beijar ou massagear os pés de outra pessoa, entre muitos outros; muito raramente um fetichista pode ainda ter prazer quando os próprios pés são objeto dessas ações. Alguns podólatras, sentem prazer em ter seus genitais manipulados pelos pés do parceiro até o ponto de atingir o orgasmo e a ejaculação. Este é, provavelmente, o exemplo mais frequente de excitação com o uso dos pés capaz de levar à satisfação completa sem que haja penetração, isto é, sexo genital (talvez por se tratar, também, de fato, de uma forma de masturbação). Outras fórmulas em que uso dos pés por si só acabam por levar ao orgasmo e à ejaculação também existem, todavia, variando de indivíduo para indivíduo.



Para desvendar esse mistério, nada melhor do que um verdadeiro especialista no assunto. Giuliano Moretti é autor do livro Tesão por Pés: A Realidade de um Gosto Excêntrico. Em entrevista ao Terra, ele foi logo avisando que não gosta de ser classificado como podólatra assumido. "Eu me classificaria como um 'admirador da mulher da cabeça aos pés'".

Para Moretti, é preciso entender que o fetiche pelos pés ou por qualquer outra parte do corpo não pode excluir o todo. "É de fundamental importância comentarmos que o fetichista saudável é aquele que, apesar de sentir uma atração especial pelo seu objeto de fetiche (no nosso caso, os pés), sabe explorar plenamente o mapa de prazeres oferecido pelo corpo de sua amada."

O escritor fala que o fetiche não deve ser encarado como "uma tara ou anomalia do indivíduo, mas como uma maneira a mais de apimentar ou incrementar o prazer numa relação sexual."

De acordo com as pesquisas que fez quando estava elaborando o livro, mesmo as mulheres "que achavam estranho este gosto em particular, depois que experimentaram uma relação envolvendo seus pés, afirmaram que as sensações provocadas pela exploração (de seus pés), seja em fase preliminar ou durante o ato sexual, foram estimulantes, muito prazerosas e, principalmente, inesquecíveis."

E completa "depois que tiveram seus pés idolatrados, elas não quiseram mais perder este privilégio na hora da relação. É óbvio que quando experimentam isso nunca mais querem perder tal sensação."
O que cada um gosta.

Sobre as particularidades de cada podólatra, Moretti é didático. "As partes admiradas pelos podólatras podem ser os dedos (a maioria os prefere harmoniosamente simétricos), arcos acentuados (pés bastante curvados), unhas bem feitas, pele lisa, hidratada e livre de calosidades e joanetes, calcanhares redondinhos (não achatados e secos), dentre outras características."

Mas nem todos os podólatras esperam perfeição. "São raros, mas há podólatras que gostam de pés maltratados, sujos, com calos, secos e por aí vai... São excentricidades que devem ser consideradas, mas geralmente não se enquadram em casos considerados como patológicos, já que não apresentam nenhuma evidência degradante no que se refere à própria sexualidade."

Até o conhecido chulé pode ser objeto de admiração. "O odor dos pés provocado pelo uso contínuo de sapatos pode ser um bem-vindo agente afrodisíaco, dependendo do podólatra. Existem aqueles fetichistas que gostam do cheiro de calcinhas ou outras peças usadas do vestuário feminino. Tal como eles, muitos podólatras também sentem muito prazer ao sentir o odor num par de sapatos ou sandálias usadas, fala o autor de Tesão por Pés.

E diz ainda "a excitação pelo cheiro é um dos componentes remanescentes de nossos tempos mais remotos. São os feromônios cumprindo seu papel biológico. Mas, é claro que nem todos os podólatras gostam do cheiro de chulé. É bom a mulher se certificar antes de brincar com seus pezinhos suados no rosto do seu amado", aconselha.


5 Motivos para Namorar um Podolatra


Pequeno dialeto podólatra :



Barefeet – Pés descalços. Se al
guns amam ver pés desfilando em botas, sandálias, scarpins ou tamancos, outros só se excitam vendo os pés descalços.







Crush – Prática em que o podólatra gosta de ver um
a mulher esmagando frutas, comidas, objetos, (em alguns casos super questionados) animais ou mesmo partes do seu corpo.







Dangling – É aquela
balançadinha de sapato que a mulher fica displicentemente fazendo, às vezes sem perceber, com as pernas cruzadas, meio que batendo eventualmente o solado na sola.







Footjob – Imagine uma punheta com os pés… Imaginou? É mais ou menos isso. Como se as solas fossem mãos,
o pé faz o serviço.








Smell feet – Chulé! Ainda que pareça impossível, tem quem ame um cheiro de meias usadas ou pé bem fedido.








Trample - Para podólatras que curtem ser pisoteados, servir de tapete ou base de salto para suas amadas. Alguns, chegam a suportar dez vezes o seu peso.








Worship – Para aqueles que curtem ficar em adoração aos pés da amada, só beijando, lambendo, mordendo, degustando…